Murillo Francisco Cason
by on 15 July, 2020
120 views

Seria a pandemia atual um desses dolorosos choques de retorno?

Notadamente, os espíritos em fase de humanidade ainda não assumiram o seu dever sagrado no trato com a Natureza a ponto do benfeitor Aniceto advertir que “Há milênios a Natureza espera a compreensão dos homens” e que “as forças naturais continuam sofrendo a opressão de todas as vaidades humanas.” [1]

A racionalidade, ainda enferma, construiu máquinas e ideologias que exponenciaram a exploração dos animais e ecossistemas, criando a dita “sociedade de consumo” de desejos efêmeros, banais e descartáveis como uma bolha de sabão, que ameaçam toda a vida na Terra.

Mudanças climáticas; escassez de água doce; produção monumental de lixo; desertificação do solo; destruição sistemática e veloz da biodiversidade; sexta extinção em massa de espécies animais; acidez dos oceanos e etc têm sido os rastros humanos no planeta, levando os cientistas a declararem que estamos promovendo um verdadeiro ecocídio. [2]

O consumo de animais, para obtenção da proteína, é outro evidente exemplo, cujo benfeitor Emmanuel ainda lá na década de 40, antes mesmo da socialização dos alertas da comunidade científica sobre a desnecessidade do consumo de animais, já havia dito:

“A ingestão das vísceras dos animais é um erro de ENORMES CONSEQUÊNCIAS, do qual derivaram numerosos vícios da nutrição humana. É DE LASTIMAR SEMELHANTE SITUAÇÃO, mesmo porque, se o estado de materialidade da criatura exige a cooperação de determinadas vitaminas, esses valores nutritivos podem ser encontrados nos produtos de origem vegetal, SEM A NECESSIDADE ABSOLUTA DOS MATADOUROS E FRIGORÍFICOS” [3].

É notório o diálogo entre o “doloroso choque de retorno” de André Luiz e as “enormes consequências” de Emmanuel. Advertências que têm sido ignoradas pelo próprio movimento espírita, infelizmente, o qual deveria ser um núcleo de ensino de uma ética animal e ambiental espírita desde as atividades infanto-juvenis.

Segundo relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), cerca de 70% das novas doenças que infectaram seres humanos nas últimas décadas estão relacionadas à criação e consumo de animais. Não apenas os animais exóticos e silvestres, mas também aqueles estigmatizados como animais de produção, como os bovinos, suínos e aves [4].

Essa coisificação daquilo que Deus deu a graça da vida promove os “dolorosos choques de retorno” “enormes consequências”, apontando uma necessária e urgente mudança de condutas individuais e coletivas.

Tal desvio de conduta já havia sido advertido por Joanna de Ângelis: “os devastadores da flora e destruidores da fauna perderam a direção da vida e emaranharam-se no aranzel da desmedida ambição, autodestruindo-se, sempre que investem contra as manifestações sencientes que existem” [5].

A pandemia do Covid19 é mais um “doloroso choque de retorno” produzido pela ação humana. Pois se a origem do novo coronavírus decorreu da mutação do vírus em algum hospedeiro animal saltando para os humanos, a prática de confinar, abater, comercializar e consumir animais em condições lastimáveis, insalubres e imorais, apropriadíssimas para se produzir uma série de pandemias, é de escolha humana.

Vale lembrar que o ebola teve origem no consumo de morcegos, o HIV na caça e consumo de pequenos primatas, o CJD (doença da vaca louca) da criação e consumo de vacas, o H1N1/Influenza A (gripe suína) do consumo de porcos, o H5N1 (gripe aviária) da criação e consumo de aves, o MERS do consumo de camelos…E agora o COVID-19 dos morcegos e pangolins.

Quantas vidas humanas e não-humanas precisarão ser ceifadas? Quantas pandemias? Quantos dolorosos choques de retorno? Quantas enormes consequências?

Sobre tais flagelos, Allan Kardec questionou os Imortais. Vejamos: Questão 738. Para conseguir a melhora da Humanidade, não podia Deus empregar outros meios que não os flagelos destruidores? Pode e os emprega todos os dias, pois que deu a cada um os meios de progredir pelo conhecimento do bem e do mal. O homem, porém, não se aproveita desses meios. Necessário, portanto, se torna que seja castigado no seu orgulho e que se lhe faça sentir a sua fraqueza.” [6]

Que a nossa “fraqueza”, ou seja, vulnerabilidade perante a Natureza tão evidente nesse tempo de isolamento social forçado seja suficiente para a mudança de hábitos que financiam a destruição da vida na Terra.

A mudança de hábitos é mais simples do que parece. Os próprios espíritos na Codificação haviam dito a Allan Kardec:

Questão 909. Poderia sempre o homem, pelos seus esforços, vencer as suas más inclinações? Sim, e, frequentemente, fazendo esforços muito insignificantes. O que lhe falta é a VONTADE. Ah! Quão poucos dentre vós fazem esforços!”

Referências:

[1] XAVIER, F. C.; ANDRÉ LUIZ (Espírito). Os Mensageiros. 47 ed. 6 imp. Brasília: FEB, 2016. 326 p. Capítulo 42 “Evangelho no ambiente rural”, pp. 255-259, pelo benfeitor Aniceto.

[2] TRIGUEIRO, A. Espiritismo e Ecologia. 3ª ed. 2 imp. Brasília: FEB, 2013. Capítulo “Sinais de Alerta”. pp. 15-16.

[3] XAVIER, F. C.; EMMANUEL (Espírito). O Consolador. 29 ed. 5 imp. Brasília: FEB, 2017. 305 p. Capítulo 2 “Filosofia”, item 2.1. “Vida”, subitem 2.1.1. “Aprendizado”, questão 129, pp. 90-91.

[4] https://nacoesunidas.org/cerca-de-70-de-novas-doencas-que-infectam-seres-humanos-tem-origem-animal-alerta-onu/?fbclid=IwAR1LNfBQLXwbqmdLJMPNwuI8Sr8CVX1Z8EEiJpPyYIJCjA02J_HAUZzgkn0

[5] FRANCO, D. P.; JOANNA DE ÂNGELIS (Espírito). Garimpo de amor. 6 ed. Salvador: LEAL, 2015. 200 p. Capítulo 16 “Amor e plenificação”, pp. 106.

[6] KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Questão 738. Parte Terceira. Das leis morais. Capítulo VI – Da Lei de Destruição. Flagelos destruidores.

[7] KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Questão 909. Parte Terceira. Das leis morais. Capítulo XII – Da Perfeição Moral. Paixões.

Referência do CARD: XAVIER, F. C.; ANDRÉ LUIZ (Espírito). Os Mensageiros. 47 ed. 6 imp. Brasília: FEB, 2016. 326 p. Capítulo 41 “Entre árvores”, pp. 252-253.

 

Copyright © 2020 de MOVE – Movimento pela Ética Animal Espírita.

Todos os direitos reservados.

Este artigo ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado sem autorização expressa, por escrito, do autor ou editor, exceto citações breves devidamente referenciadas

Like (1)
Loading...
1